segunda-feira, 12 de novembro de 2012

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL

 DOCUMENTÁRIO COMPLETO SOBRE A CCB, COMO VOCÊ NUNCA VIU !








UM ESTUDO COMPLETO




O objetivo deste BLOG, não é o de apoiar ou criticar esta ou aquela religião, mas de mostrar como é de fato o funcionamento das organizações religiosa, dando o maior número de detalhes possíveis, com informações fidedignas, deixando o julgamento por conta do leitor, que com certezas tendo seu raciocínio crítico pode ver com clareza o que é certo ou errado segundo suas convicções.


METODOLOGIA;

O uso do asterisco é para fazer comentário sobre determinado trecho da leitura (*)

A Congregação Cristã no Brasil figura como a primeira denominação cristã a instalar-se em território brasileiro sob a designação pentecostal.

Hitória da CCB
Em fins do século XIX, segundo relato de próprio punho, o ítalo-americano Louis Francescon é advertido por via de uma revelação quanto ao batismo em sua acepção imercionista, vindo a submeter-se ao mesmo. A convicção relativa ao ato e sua ministração conduziu Francescon - e alguns aderentes - à ruptura para com sua anterior filiação presbiteriano-valdense.
Em 1907 na cidade de Chicago, na  943 West North Avenue (semelhantemente à Rua Azuza  em Los Angeles, Califórnia), havia uma missão que anunciava a promessa do Espírito Santo com evidência de se falar novas línguas. Francescon visitou aquele serviço a convite e teria recebido, conforme suas palavras, uma confirmação divina de que aquela obra era de Deus. Prontamente o grupo que o acompanhava uniu-se aquela missão pentecostal, a maioria recebendo o dom de falar línguas diferentes. Estavam reunidas as doutrinas dos batismos da água e do Espírito.
Vindo para o Brasil em 20 de abril de 1910, Francescon realizou o primeiro batismo em Santo Antônio da Platina, Paraná, batizando o italiano Felício Mascaro e mais dez pessoas. Depois dirigiu-se para a cidade de São Paulo, onde foram batizadas mais vinte pessoas. Durante alguns anos, os fiéis reuniram-se sem denominação e após adquirirem o primeiro prédio, na cidade de São Paulo, foi escolhido o nome Congregação Cristã do Brasil. Alterado nos anos 1960 por questões internas substituiu-se a contração "do" pela contração "no".
Possuiu maioria italiana até a década de 1930, quando então passaram a preponderar as demais etnias; desde 1950 está presente em todo território brasileiro e em diversos países. Em 2010, contabilizou 2,3 milhões de membros declarados no Brasil].
Sua igreja central é estabelecida em São Paulo, no bairro do Brás, onde o Ministério reúne-se anualmente em Assembleia Geral quando são estabelecidas convenções e ensinamentos.

Doutrina
No ano de 1927, na cidade de Niagara Falls, NY, houve uma convenção da Igreja Cristã da América do Norte quando foram definidos 12 Artigos de Fé e doutrina seguidos pela Congregação:
1. Nós cremos na inteira Bíblia Sagrada e aceitamo-la como infalível Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo. A Palavra de Deus é a única e perfeita guia da nossa fé e conduta, e a Ela nada se pode acrescentar ou d'Ela diminuir. É, também, o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê.
2. Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder, Criador de todas as coisas, em cuja unidade há três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.
3. Nós cremos que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é a Palavra feita carne, havendo assumido uma natureza humana no ventre de Maria virgem, possuindo Ele, por conseguinte, duas naturezas, a divina e a humana; por isso é chamado verdadeiro Deus e verdadeiro homem e é o único Salvador, pois sofreu a morte pela culpa de todos os homens
4. Nós cremos na existência pessoal do diabo e de seus anjos, maus espíritos, que, junto a ele, serão punidos no fogo eterno
5. Nós cremos que o novo nascimento e a regeneração só se recebem pela fé em Jesus Cristo, que pelos nossos pecados foi entregue e ressuscitou para nossa justificação. Os que estão em Cristo Jesus são novas criaturas. Jesus Cristo, para nós, foi feito por Deus sabedoria, justiça, santificação e redenção
6. Nós cremos no batismo na água, com uma só imersão, em Nome de Jesus Cristo e em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.
7. Nós cremos no batismo do Espírito Santo, com evidência de novas línguas, conforme o Espírito Santo concede que se fale.
8. Nós cremos na Santa Ceia. Jesus Cristo, na noite em que foi traído, tomando o pão e havendo dado graças, partiu-o e deu-o aos discípulos, dizendo: “Isso é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim”. Semelhantemente tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: “Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós”].
9. Nós cremos na necessidade de nos abster das coisas sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da fornicação, conforme mostrou o Espírito Santo na Assembléia de Jerusalém.
10. Nós cremos que Jesus Cristo tomou sobre si as nossas enfermidades. “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da Igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados”
11. Nós cremos que o mesmo Senhor (antes do milênio) descerá do céu com alarido, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar nos ares e assim estaremos sempre com o Senhor.
12. Nós cremos que haverá a ressurreição corporal dos mortos, justos e injustos. Estes irão para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna

NA PRÁTICA

PONTO-1. Nós cremos na inteira Bíblia Sagrada e aceitamo-la como infalível Palavra de Deus,
*Durante quase um século a CCB  pregou este ponto, mas quando seu estatuto foi modificado em 10/04/2004  foi modificada no seguinte aspecto

I - Nós cremos na inteira Bíblia Sagrada e aceitamo-la como contendo a infalível Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo. A Palavra de Deus é a única e perfeita guia da nossa fé e conduta, e a Ela nada se pode acrescentar ou d’Ela diminuir. É, também, o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê. (II Pedro, 1:21; II Tim. 3:16-17; Rom. 1:16).

NOTA-SE A SUBSTITUIÇÃO DA PALAVRA “INFALIVEL” PÁRA “CONTENDO”
Mas a maioria dos fiéis, não se deram conta deste detalhe, a mudança foi feito em 2004, porém os hinário vendidos desde então,  continuam vindo com as anotações do estatuto antigo

PONTO-2. (Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder)  O segundo ponto de doutrina, continua o mesmo, e também continua sendo pregado desta mesma forma

PONTO-3. (Nós cremos que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é a Palavra feita carne) Este ponto também continua sendo pregado nas igrejas tal como era antes

PONTO-4. (Nós cremos na existência pessoal do diabo) Este ponto continua sendo pregado, inclusive nos cultos não se pronuncia a palavra “diabo” pois prega-se que somente o nome de Deus o qual deve ser pronunciado e exaltado, quando em um testemunho contado na igreja é necessário referir-se ao Diabo, usa-se o termo  “Inimigo” o USO da expressão “ Diabo” só é admitida  se no momento em que se estiver fazendo a leitura da Bíblia estiver escrito, então lê-se na íntegra tal qual está.

PONTO-5. (Nós cremos que o novo nascimento e a regeneração só se recebem pela fé em Jesus Cristo)
*Na prática, a CCB prega que o novo nascimento é o batismo, que o ato de aceitar Jesus se dá crendo na doutrina pregada na CCB, e aceitando seu chamado no dia do Batismo, ela não prega o novo nascimento pela fé, não reconhece a existência da salvação sem o batismo, e ainda, só é reconhecido o batismo na CCB,  a igreja alega que as demais denominações não batizam de acordo foi revelado ao seu fundador Louis Francescon, e mesmo que alguma denominação batizar da mesma forma que se batiza na CCB, esta também não reconhece o tal batismo, pois as demais denominações não fazem parte da mesma fé e doutrina
*Esta é uma visão institucionalizada, isto faz com que a igreja fique com o “monopólio da salvação) pois não aceita que outras denominações, mesmo que aceite ou reconheça parte da doutrina CCB,  seja uma igreja de Cristo
Se Jesus pregasse o nascimento só pelo batismo de maneira absoluta, não poderia salvar aquele ladrão que se arrependeu no dia de sua crucificação, pois jamais ele iria passar em cima das palavra que o PAI O deu.( João 12:49 Porque eu não tenho falado de mim mesmo, mas o Pai, que me enviou me ordenou o que dizer e como dizer)

Lucas 23, 39-43 Um dos malfeitores crucificados blasfemava contra ele, dizendo: Não és tu o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós também. Respondendo-lhe, porém, o outro repreendeu-o dizendo: Nem ao menos temes a Deus, estando sob igual sentença? Nós na verdade com justiça, porque recebemos o castigo que os nossos atos merecem; mas este nenhum mal fez. E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino. Jesus lhes respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.
Nos dias de hoje, se uma pessoa entrasse na CCB, ouvisse a pregação e cresse no que foi dito, e no mesmo dia morre-se, não tendo portando nenhuma chance de se batizar, segundo a CCB (OFICIALMENTE) este não seria considerado irmão em Cristo

PONTO-6. (Nós cremos no batismo na água, com uma só imersão, em Nome de Jesus Cristo e em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo)
*Nota se que em São Mateus 28:19-20 Jesus ensina
    19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;

20 ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.

*Isto acontece com a maioria das denominações, as vezes prega-se a bíblia tal qual está escrito, e ora alega-se que está escrito está de forma simbólica, não devendo ser feito exatamente como ensina o texto

O BATISMO – SEU SIMBOLISMO.

É concorde entre a maioria esmagadora das denominações cristãs (evangélicas ou protestantes) que o batismo além de ser uma ordenança, é um símbolo, uma analogia, uma representação do sacrifício de Jesus.

O batismo, como Paulo explica em suas epístolas, é uma cerimônia na qual o fiel é identificado com Cristo na sua morte. É um testemunho público de profissão de fé no Salvador Jesus Cristo. É símbolo de sepultamento quando a pessoa é imersa (submersa) nas águas e de ressurreição quando é emersa das mesmas. É também uma figura de lavagem, de purificação. (Gálatas 3:27 – Colossenses 2:12)

Porém o batismo em si não lava, não perdoa, não regenera, não purifica. Ele é apenas uma cerimônia, um rito. A compreensão do mesmo está em ser visto como um mandamento a ser obedecido, uma decisão de andar e servir a Cristo por parte de quem já foi lavado, perdoado, regenerado, purificado e renovado no ato de crer e receber ao Senhor Jesus Cristo como seu único, suficiente, exclusivo e eterno Salvador. (João 1:12)

O TRECHO ABAIXO FOI EXTRAÍDO DO BLOG
http://sitedareforma.blogspot.com.br

O BATISMO NA CCB.


No ponto de doutrina nº 6 da CCB lemos o seguinte:

“Nós cremos no batismo na água, com uma só imersão, em Nome de Jesus Cristo (Atos 2:38) e em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. (Mateus 28:18,19) – (Hinos de Louvores e Súplicas a Deus – Livro nº 4 – 9ª Edição - 1994)
Percebemos nesta declaração uma grande divergência quanto ao mandamento de Jesus exarado nas Escrituras (Mateus 28:19) e seguido fielmente pelas demais denominações cristãs com o batismo da CCB.

Na CCB  batiza-se em nome de Jesus Cristo e em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, contrariando a ordem de Jesus em Mateus 28:19. Quando os apóstolos e discípulos em Atos batizavam está registrado que foi em nome do Senhor (Atos 10:48), em nome do Senhor Jesus (Atos 19:5), e em nome de Jesus Cristo(Atos 2:38). São três expressões diferentes, portanto não é uma fórmula batismal como a de Jesus em Mateus 28:19.

*O que acontece é que quando é dito que foram batizados em nome de Jesus Cristo, em nome do Senhor, e em nome do Senhor Jesus, significa que o batismo está na autoridade do nome de Jesus, porém os apóstolos seguiam a fórmula batismal designada por Jesus em Mateus 28:19 – Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.

Essa confusão doutrinária faz com que a CCB cometa uma redundância quanto a fórmula batismal. Qual é o nome do Filho? Não é Jesus? Então porque duas vezes citar o Filho?
A CCB chega ao ponto de ensinar que se  você não foi batizado em nome de Jesus Cristo, portanto o seu batismo não teve valor


A UNIDADE DA FÉ.

Em Efésios 4:4 Paulo começa a explicar que fomos chamados em uma só esperança da nossa vocação. Há um só corpo, um só Espírito, um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos.

É um só batismo, uma só vez. Não podemos usar o exemplo dos discípulos que Paulo encontrou em Éfeso que só eram batizados com o batismo de João para justificar um rebatismo cristão em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Não há base bíblica para tal inferência .

*Se o pastor ou o padre batiza exatamente como está nas escrituras, porque não é reconhecido o batismo?

PONTO-7. (Nós cremos no batismo do Espírito Santo, com evidência de novas línguas, conforme o Espírito Santo concede que se fale.)

Este ponto ainda é pregado desta forma, mas atualmente as igrejas estão mais “frias” pouco se ouve um Glória ou um Aleluia, no início da CCB, seu fiéis glorificavam tanto a Deus nos cultos, que foram apelidado de “OS GLÓRIA”


PONTO-8. (Nós cremos na Santa Ceia...)

Veja como é a SANTA CEIA NA CCB.
Primeiro canta-se alguns hinos adequados para santa ceia e são muito solenes.Depois os irmãos do ministério explicam os motivos de tomarem a santa ceia e quem deve e quem não deve tomá-la, por exemplo, menores de 12 anos, mesmo sendo batizados não podem tomar a Santa Ceia, por se entender que nesta idade a criança não tem entendimento, aos 12 anos ( por analogia a infância de Jesus) é reconhecido a capacidade da criança em discernir o Corpo de cristo, pois esta idade marca sua “maioridade religiosa” Depois é feita orações para abençoar um só pão que após a oração passa a representar o corpo de Jesus Cristo e o vinho que após a oração representará o sangue de Jesus. Depois com um só cálice todos tomam o vinho e com um só pão todos comem

..
TÓPICOS - ASSEMBLÉIA DE 28 A 31 DE MARÇO E 1° DE ABRIL DE 1961

(SANTA CEIA. No cumprimento desse sacramento, o pão deve vir inteiro para a mesa; para ser usado não deve ser cortado com faca. Não deve ser pão doce, porém pão comum; a bandeja pode ser apropriada, assim como pode ser um simples prato. Deve ser usado um cálice e não copo e nem cálice pequenino de aperitivo; os irmãos de fora podem pedir um modelo ou comprar o cálice aqui em São Paulo. O vinho deve ser tinto, feito de uva “o fruto da vide, como diz o Evangelho”. Não há bebida alguma ou qualquer refrigerante ou refresco que possa substituir o vinho na Santa Ceia; se não há vinho é impossível realisá-la.- Lembremo-nos que o povo de Deus muitas vezes não tendo cultura é sábio e nota tudo o que está fora da palavra. A santa ceia deve ser feita a tarde ou a noite e nunca pela manhã.)

A SANTA CEIA na CCB  é realizada uma vez ao ano, pois a CCB  prega que para o cristão, a SANTA CEIA substitui a Pascoal, a qual era anual, que os filhos de Israel comemoravam a Saída da terra do Egito

*Porém Louis Francescon tinha uma formação religiosa Valdense, os quais acreditavam que a SANTA CEIA era comemorada anualmente pela igreja primitiva


 Valdenses

Origem: Wikipédia,
Os valdenses são uma denominação cristã que teve sua origem entre os seguidores de Pedro Valdo na Idade Média e subsiste hoje como um grupo etnoreligioso na Itália e Uruguai nas igrejas Valdense e Evangélica Valdense do Rio da Prata, além de descendentes na Alemanha, Estados Unidos e França
A cruz huguenote, um dos símbolos valdenses

Pedro Valdo era um comerciante de Lyon e iniciou seu movimento por volta de 1174 Decidiu encomendar uma tradução da Bíblia para a linguagem popular e começou a pregá-la ao povo sem ser sacerdote. Ao mesmo tempo, renunciou a sua atividade e aos bens, que repartiu entre os pobres.
Desde o início, os valdenses afirmavam o direito de cada fiel de ter a Bíblia em sua própria língua, sendo esta a fonte de toda autoridade eclesiástica.
Os valdenses reuniam-se em casas de família ou mesmo em grutas, clandestinamente, devido à perseguição da Igreja Católica. Celebravam a Santa Ceia uma vez por ano. Negavam a supremacia de Roma, rejeitavam o culto às imagens vistas por eles como idolatria e se diziam guardadores da doutrina cristã apostólica. Em virtude de sua recusa em interromper suas pregações, eles foram excomungados em 1184.
Mesmo após a morte de Pedro Valdo, em 1217, seus discípulos continuaram o movimento, sendo nomeados valdenses. Condenados pelo papado os valdenses foram perseguidos durante a Idade Média e durante a Reforma Protestante, quando juntaram-se ao nascente protestantismo no Sínodo de Chanforan em 1532. Desde então, os valdenses subscrevem ao Calvinismo.


Igreja Valdense em Roma

Em 1848, foi proclamando o edito de emancipação garantindo liberdade de culto e direitos individuais para os valdenses no Piemonte (então parte do Reino da Sardenha e depois para toda o Reino de Itália.
O crescimento populacional e busca de maior liberdade econômica e religiosa fizeram os valdenses imigrarem em massa no final do século XIX, estabelecendo colônias no Uruguai, Argentina e Estados Unidos. Em 1975, a Igreja Evangélica Valdense, então com 35.000 membros na Itália e 15.000 no Uruguai se uniram com a Igreja Metodista Italiana (com 5.000 membros) para formar a União das Igrejas Valdense e Metodista.

NESTE TÓPICO PODEMOS ENTENDER MELHOR A DOUTRINA DA CCB, POIS ELE ENGLOBA MUITO DO QUE É PREGADO NAS IGREJAS

9. Nós cremos na necessidade de nos abster das coisas sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da fornicação, conforme mostrou o Espírito Santo na Assembleia de Jerusalém

PRIMEIRA PARTE;  (das coisas sacrificadas aos ídolos) a CCB não comemora nem reconhece o Natal como o dia do nascimento de Cristo, pois alega que este dia não está na Bíblia, e por ser uma “data católica” de origem pagã, quem comemora comete o pecado da idolatria, o qual as Escrituras proíbem terminantemente

* Natal
Origem: Wikipédia. Data     25 de Dezembro
7 de Janeiro (Rússia e Ucrânia) 22 de novembro (Japão)
Observações   Quadra que prima pela união familiar e entrega de presentes à mesma e ao próximo.
Natal ou Dia de Natal é um feriado e festival religioso cristão comemorado anualmente em 25 de Dezembro (nos países eslavos e ortodoxos cujos calendários eram baseados no calendário juliano, o Natal é comemorado no dia 7 de janeiro), originalmente destinado a celebrar o nascimento anual do Deus Sol no solstício de inverno (natalis invicti Solis), e adaptado pela Igreja Católica no terceiro século d.C., para permitir a conversão dos povos pagãos sob o domínio do Império Romano, passando a comemorar o nascimento de Jesus de Nazaré. O Natal é o centro dos feriados de fim de ano e da temporada de férias, sendo, no cristianismo, o marco inicial do Ciclo do Natal que dura doze dias
Embora tradicionalmente seja um feriado cristão, o Natal é amplamente comemorado por muitos não-cristãos, sendo que alguns de seus costumes populares e temas comemorativos têm origens pré-cristãs ou seculares. Costumes populares modernos típicos do feriado incluem a troca de presentes e cartões, a Ceia de Natal, músicas natalinas, festas de igreja, uma refeição especial e a exibição de decorações diferentes; incluindo as árvores de Natal, pisca-piscas e guirlandas, visco, presépios e ilex. Além disso, o Papai Noel (conhecido como Pai Natal em Portugal) é uma figura mitológica popular em muitos países, associada com os presentes para crianças.
Costumes populares modernos típicos do feriado incluem a troca de presentes e cartões, a Ceia de Natal, músicas natalinas, festas de igreja, uma refeição especial e a exibição de decorações diferentes; incluindo as árvores de Natal,


SEGUNDA PARTE

(do sangue, da carne sufocada) A CCB prega que não se deve comer carne de animais sufocados e nem o sangue, todavia ao chegar na casa de alguém ou for comer num restaurante, ou comprar carne no mercado, não há necessidade de se investigar o modo que o alimento foi preparado, ou como animal foi sacrificado, mas cabe aos seus fiéi não praticar tais feitos, e quando ver e constatar que o alimento foi feito contra este tópico de ensinamento, são ensinados a não comer por causa da consciência de que aquela comida não respeita ao critério apostólico

TERCEIRA PARTE
(e da fornicação) A CCB prega que seus fiéis se abstenha da fornicação a qualquer custo, o jovem que praticar sexo com a namorada, noiva ou numa aventura qualquer, é excluído da comunhão da igreja por tempo indeterminado, e é chamado de “pecador de morte” nome também dado aos que são infiéis ao matrimônio, além da perda de cargos que porventura estejam exercendo

O pecado de morte- Segundo a CCB, quem fornica ou adultera, peca de morte, e a relação do fiel, agora pecador, é cortado da comunhão com os santos.

1 João 5.16 e 17
16 Se alguém vir pecar seu irmão, pecado que não é para MORTE, orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecarem para MORTE. Há pecado para MORTE, e por esse NÃO DIGO que ore.

O pecador em questão, não receberá nem se quer uma oração ou saudação de qualquer membro da igreja, pois ele já não se encontra mais ligado á comunhão dos fiéis, e sua presença na igreja, não faz qualquer diferença.
Segundo o que é pregado, a pessoa tem apenas “uma chance” de se arrepender e deixar a vida pecaminosa, pois se tornar a vida do velho homem, tornará vão o sacrifício de Cristo na vida dela.

(Hebreus 6: 4-6) Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo.
E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro,
E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério.
(2 Pedro 2:20-22; Provérbios 26:11)
‘O cão voltou ao seu próprio vômito e a porca lavada a revolver-se no lamaçal.’ (2 Pedro 2:20-22; Provérbios 26:11)

Ponto-10. Nós cremos que Jesus Cristo tomou sobre si as nossas enfermidades. “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da Igreja...
A CCB admite a unção aos enfermos, se o fiel está doente, pode pedir ao cooperador ou anciãopara que seja ungido, se for “testemunhado” fica á critério dos ministros da igreja atenderem ou não o pedido de unção
Antigamente, os anciães da CCB eram ungidos para exercerem suas funções, depois, consideraram que a unção para cargos só havia referencia no Velho Testamento,


A CCB E O SÁBADO
57ª Assembleia Geral CCB de 1992

20 - Sobre o Sábado
Jesus Cristo é o Dia de Deus (S. João, cap. 11, vs. 9 e 10). Ele é o Sábado de Deus, é o nosso Sábado. Nosso repouso é Cristo e não o sábado. Sendo Cristo o Senhor do sábado, nós guardamos a Cristo.
O sábado era guardado na lei. Nós estamos na Graça e temos que guardar o que foi estabelecido pelo Espírito Santo na Assembléia de Jerusalém (Atos, cap. 15, vs. 20, 28 e 29; cap. 21, v. 25 e Gálatas, cap. 4, vs. 10 e 11).
Para a Igreja de Cristo há um dia a observar e esse Dia é o Se­nhor Jesus. Resta um repouso para o povo de Deus: a vinda do Senhor Jesus, quando iremos descansar (Hebreus, cap. 4, vs. 3 a 9, e cap. 7, v. 12).

Fonte:http://baptizedinfire.wordpress.com/

*LITÍGIO JUDICIAL

Deus nos tem sempre guiado desde o princípio desta Obra, a nunca entrarmos em litígio judicial. A Congregação nunca deve envolver-se em casos que tenham de ser levados à Justiça terrena. Nos casos que tem surgido, com referência a imóveis do patrimônio da Congregação e pessoas que não pertencem à irmandade temos o Senhor Jesus como nosso advogado. Ele sempre nos tem dado a vitória, melhor é confiar N’Ele do que nos homens. E temos como ensinamento que é melhor perdermos e abrirmos mão quanto ao que nos exigem, do que litigarmos; se nos pedem a túnica, devemos também dar a capa. Houve um caso que o terreno da irmandade estava sendo prejudicado em sua largura, o visinho pretendia se apoderar de uma faixa de setenta centímetros. Os irmãos e principalmente os procuradores, desatendendo a orientação do servo de Deus que atende a região, levaram o caso perante as autoridades, constituíram um advogado, dispenderam dinheiro e tiveram muitas contrariedades. Ao ter conhecimento do caso dois irmãos administradores dirigiram-se então a localidade, sustaram o processo e requereram seu arquivamento, explicando tamém às autoridades que aos procuradores de uma localidade não assiste o direito em abrir processos judiciais. Essa competência é da alçada do Presidente da Congregação, com a assistência do Conselho de Irmãos Anciães. No caso em referência vendeu-se aquela faixa de terra ao vizinho e assim, foi eliminado este tão grande transtorno que afligia a irmandade.*

27 - (*) BEBIDAS
   - Não queremos proibir bebidas; o que é necessário é se alertar contra os abusos. Não comer nem beber demais. Tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém. Em casamentos tem havido abusos, não só no beber e no comer assim como no vestir. Porque é festa de casamento pode-se usar vestido curto? Usar pintura? Trajes decotados ou sem mangas? - De modo algum. E às vezes são irmãs velhas no caminho que assim agem.


Sobre o estudo da Bíblia.

A CCB ensina que o Espírito Santo dirige tudo. Sem dúvidas, o Espírito Santo opera poderosamente na vida de sua Igreja.
  
MAS O QUE A BÍBLIA NOS MOSTRA?

Mostra o  propósitos de Deus, que é o exame de sua Palavra. "Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detêm no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite". ( Sl 1.1); Veja ainda 2 Tm 2.15; Sl 119.105; Pv 7.1-3; Dt 6.6-9; 1 Tm 4.13; 2 Tm 4.13; Pv 9.9; Sl 119.9-16; Sl 19.7-8; Sl 1.1-2. Essas referências já são suficiente para provar que o pensamento da CCB é contrário a Palavra de Deus. Os membros da CCB não conhecem bem a Palavra de Deus e fazem questão de dizer que não sabem para dar a entender que tudo que falam provém do Espírito Santo. Uma atitude completamente contrária a de seu fundador.


A Saudação da CCB.

A CCB não reconhece a expreção "paz do Senhor". Como saudação bíblica. Citam para justificar esse conceito a seguinte expressão: "devemos saudar com a paz de Deus, e nunca com a Paz do Senhor, porque existem muitos senhores, mas Deus é só um.

MAS PAULO ESCREVEU

Coríntios 8.5,6, que diz: "Porque, ainda que haja também alguns que se chamam deuses, quer no céu como na terra( como há muitos deuses e muitos senhores). Todavia para nós há um só Deus, Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por Ele. Quando saudamos com a paz do Senhor estamos saudando com a paz do nosso grande Senhor Jesus Cristo. Conf. Jo 14.27.


O Ósculo Santo.

A CCB  adota costumes orientais, muitos deles registrados na Bíblia, como é o caso do ósculo santo, com base no livro de Romanos 16. 16.
Esse é um costume que perdura até hoje no oriente. O ósculo era uma maneira comum de saudar no oriente, muito antes do estabelecimento do cristianismo. Tem servido igualmente como parte da expressão judaica em suas saudações, tanto nas despedidas como também na forma de demonstração geral de afeto. Ver Gn 29.11; 33.4. Também parece ter sido um sinal de homenagem entre os israelitas conf. 1 Sm 10.1. O ósculo dado aos ungidos de Deus, por semelhante modo, parece ter-se revestido de significação religiosa, o que também se verifica entre outras culturas. Quando Paulo recomendou que se saudasse uns aos outros com ósculo santo, simplesmente estava falando de um costume existente.

A CCB É CONTRA O MINISTÉRIO PASTORAL

Os membros da CCB costumam dizer que em sua igreja não existe pastor, pois o único pastor é Jesus.
O que exerce tal função é o “ancião”. A palavra pastor toma um tom pejorativo na CCB.
A CCB tem como base João cap.10 que diz: “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem”,

Outro texto muito usado é o Salmo 23: “ O Senhor é o meu pastor nada me faltará...”

MAS A BÍBLIA TAMBÉM ENSINA

 “E ele (Jesus) deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres” (Ef 4.11).
“Lembrai-vos dos vossos pastores, os quais vos falaram a palavra de Deus, e, atentando para o êxito da sua carreira, imitai-lhes a fé” (Hb 13.7).
“Obedecei a vossos pastores, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil” (Hb 13.17).

É claro que os anciãos da CCB fazem o papel de pastor, porém sem usar o rótulo. E o próprio Jesus ordenou isso a Pedro: “Disse-lhe Jesus: Apascenta as minhas ovelhas”.
SÃO CONTRA O SUSTENTO DO OBREIRO

Na CCB, os cargos não são assalariados, o que não quer dizer que esta postura esteja errada, porém, a CCB prega que o recebimento de salários para quem dirige uma igreja é anti bíblico com base no verso á seguir;

“Outras igrejas despojei, recebendo delas salário, para vos servir” (II Co 11.8).
Paulo recebeu salário de certas igrejas em seus dias para servir aos crentes de Corinto. A CCB, porém, afirmam que o pastor ou obreiro que recebe salário é mercenário e ladrão.
No caso da CCB, os que exercem cargos tem plenas condições de sustento, porque trabalham fora, e a noite administram a igreja, o cargo mais alto que é o de Ancião, geralmente são exercidos por pessoas que tem maior possibilidade de ficar mais disponível na Obra de Deus são autônomos, profissionais liberais ou aposentados, ou seja; sempre tem alguém disponível pra dar atendimento tanto na igreja, como atender a irmandade no dia dia.

Neste ponto difere muito do pastor, o qual não exerce outra atividade, a não ser ficar disponível todos os dias para o corpo administrativo da igreja, bem como para seus fiéis

 Os apóstolos e Jesus viviam das ofertas que recebiam. Em João 12.6 lemos que havia uma bolsa para receber as ofertas, bolsa essa que Judas tirava o que podia, mas que mesmo assim mantinha dinheiro para comprar pão (Jo 6.5-7).


Sobre a pregação do Evangelho.

A CCB defende que não se deve sair para evangelizar de porta em porta, ou nas ruas, esta atitude é tida como “mal testemunho”, ou mal exemplo, afinal só pode anunciar o evangelho á uma pessoa se DEUS te fizer sentir no coração, utilizando-se e de versículos bíblicos. Eis aqui os versículos citados pela CCB: Mt 6.5; Mt 7.6: Mt 12.18-21

MAS A BÍBLIA TAMBÉM MOSTRA

 "Ide" do Senhor Jesus. Jesus não ordenou que seus discípulos esperassem, até que alguém sentisse que deveria aceitar o evangelho. Jesus jamais disse ao pecador: "Se sentires e fores ao templo será salvo". Ao contrário, Ele disse a Igreja: ": Ide por todo mundo; pregai o evangelho a toda criatura".,( Mc 16.15); Veja ainda: At 2.14-36; At 16.25-34; At 17.22-31; At 1.8; 17.17; 16.13; 21.15; Rm 1.14-15; 1 Co 9.16 etc.

Sobre a oração somente de joelhos:

A CCB diz que os fariseus oravam de pé. “de Lc 18.11 declara que o fariseu estando em pé orava e sua oração não foi ouvida”

OBS; A CCB não prega que a oração válida é apenas aquela  feita de joelhos, mas  sempre que buscarmos a Deus, devemos na medida do possível, reverenciá-lo de joelhos dobrados.

 Mas no v. 13 declara que o publicano achava-se também em pé e sua oração foi ouvida, V.124. Logo, não é a posição do corpo que influiu na resposta de oração, mas a situação do coração. ( Is 1.15-16; 9.1-2). A Bíblia aponta várias posições para oração: Oração de olhos abertos e em pé (Gn 18.22; Jo 11.41-42); oração sentado ( At 2.1-4); oração de cócoras ( 1 Rs 18.42; Oração no ventre do peixe ( Jn 2.1-3); Oração deitado na cama ( Is 38.2-3; Sl 4).

 A PREGAÇÃO DA PALAVRA

Os fiéis na CCB,  buscam a palavra para muitas tomadas de decisões, e outros pra tudo, pois a CCB acredita que Deus fala com a igreja por meio da revelação na boca do pregador, e este por sua vez, não estuda o que irá pregar, não tem nenhum curso de teologia, fica na comunhão para Deus revelar a palavra, todavia este, tem que seguir diretrizes dadas pela MATRIZ DO BRÁZ,  não podendo pregar fora do que o conselho de Anciães determinam, vejam alguns exemplos
.
Todavia a CCB ainda não encontrou uma unidade na pregação, seu fundador por exemplo, pregava a palavra na primeira pessoa do singular.

Exemplo;
“Em princípios de Dezembro o Senhor falou por minha boca, dizendo: "Eu, o Senhor, permaneci no meio de vós e se me obedecerdes e fordes humildes eu mandarei convosco todos os que devem ser salvos. Vos terei unidos por um pouco de tempo a fim de vos preparar, para depois mandar alguns de vós em outros lugares para recolher outras minhas ovelhas. Este é o sinal que vos dou para confirmar que vosso Deus é quem vos falou. Este local será pequeno para conter as pessoas que chamarei".(Histórico da CCB, por Louis Francescon).”
Histórico da Obra de Deus

APARENTE CONTRADIÇÃO;
Circular – 2008 PRESERVAÇÃO DA SÃ DOUTRINA E DA FÉ QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS

“... Repetimos aqui os ensinamentos de diversas reuniões anuais, lembrando a linguagem que nos convém quando nos dirigimos à nossa irmandade, pois alguns de nós, ou por imitação ou por terem-se habituado a essa maneira de falar, usam a palavra "eu" com demasiada freqüência. Por mais que o pregador esteja sentindo a presença de Deus, deve evitar dizer: "eu te digo", "eu te perdôo", "eu vou te curar', "eu te abrirei uma porta", "eu vou mandar um anjo", mas deve dizer: "este é o conselho do Senhor para ti", "terás perdão, em nome do Senhor", "se obedeceres, poderoso é Deus para te curar, se este for o Seu plano"; sempre lembrando-se de que é homem falando para homens, guiado pelo Espírito de Deus. Não deve falar como se Deus ou Jesus estivessem personificados no pregador...”

BUSCAR A RESPOSTA DE DEUS PARA CONTRCONTRAIR MATRIMÔNIO

 TÓPICOS DE ENSINAMENTOS – 1962
- CASAMENTO SEM SER DA VONTADE  DE DEUS EMBORA CRENTES

“Também nos casamentos entre crentes, quando não é preparado por Deus, as pessoas não encontram bênçãos e as vezes até recebem pesados castigos. Houve o caso de uma irmã que, estando noiva com um incrédulo, sendo repreendida e exortada pela Palavra desfez aquele noivado.
Pouco tempo depois começou a namorar um irmão nosso; pediram a confirmação pela Palavra e o Senhor lhes respondeu claramente que aquele casamento não era de Sua vontade; se insistisse, vindo a realisar essa união, a pesada mão de Deus os castigaria.
Estes dois irmãos apesar desta Palavra, resolveram se casar e o cumprimento do que veio pela boca do servo de Deus realisou-se, nunca tiveram um dia de felicidade; passaram por tudo; miséria, fome e enfermidades sobre a filha e por fim o marido adoeceu com gravíssima moléstia que o deixou paralítico e quase à morte. A esposa, então ao pedir oração para o próprio servo que lera a Palavra, chegou até a lhe pedir perdão, por não haver obedecido ao que Deus mandara pela sua boca. Depois de ser apresentado em oração, o enfermo começou a melhorar e já está andando; este exemplo deve ser conhecido por todos e ficar patente a toda mocidade.”

APARENTE CONTRADIÇÃO;

(Trecho da circular de abril de 2007 elaborada pelo Ministério Oficial da CCB)
“Não nos envolvamos em casamentos, de modo a dizer na pregação que o Senhor “preparou para ti este irmão” ou “preparou para ti esta irmã”. Um pregador, em sua precipitação, até mencionou o nome da jovem, dizendo-lhe que determinado irmão era preparado por Deus para ela. Ela não amava o rapaz, mas casou-se por temor a pregação. Arruinou-se o casamento e o pregador caiu em descrédito.
Casamento é obra de Deus nos corações dos interessados que, sem dúvida alguma, devem sentir amor recíproco para se unirem em matrimônio. É assunto entre os dois e Deus.
NOTA
(não estamos estabelecendo o que é certo ou errado, mas apenas analizando)

Os serviços são solenes com uma atmosfera formal; desse modo evitam-se manifestações individualizantes, mas preza-se a participação coletiva.
A explanação das pregações na CCB  ficam mais no plano simbólico, por exemplo, um pregador ao ler o trecho ( a travessia do mar vermelho) pode pregar – Assim como eles atravessaram o Mar ermelho o Senho irá te ajudar a atravessar esta situação,ou seja, a maioria das pregações são mais no sentido figurado do texto.
 O pregador estando na comunhão com Deus, prega segundo o que ele, na sua convicção, sente da parte de Deus.
Em quanto em outras denominações, por haver constantes análises bíblicas, prega-se o sentido mais literal das passagens Bíblicas, ficando o entendimento dos texos mais no campo racional

Obs; (ambas as pregações tem seu valor)

Organização

CORPO MINISTERIAL
A organização eclesiástica da Congregação Cristã no Brasil é uma forma adaptada do governo presbiteriano: um grupo de igrejas locais são reunidas em uma "região administrativa", normalmente correspondente a um município nos estados onde a igreja é maior e vários municípios onde a Congregação é menor, presidida por um conselho de anciãos e um corpo administrativo. As regiões administrativas são agrupadas em "regionais", que por sua vez se concentram nas "assembleias estaduais".

 O organismo máximo é a "Assembleia Geral" que ocorre na congregação do Brás anualmente sempre no mês de abril
Segundo os estatutos da Congregação Cristã no Brasil suas atividades são conduzidas por um ministério organizado, servindo sem expectativas de receber salários, distribuído segundo as necessidades de cada localidade, contituído por anciãos, cooperadores do ofício ministerial e diáconos . Somente os anciãos e diáconos são ministros ordenados (I Tim. 4:14)

Ancião - responsável pelo atendimento da Obra, realização de batismos, santas ceias, ordenação de novos obreiros (anciães e diáconos), apresentação de Cooperadores do Ofício Ministerial, encarregado de conferir ensinamentos à igreja, cuidar dos interesses espirituais e do bem-estar da igreja, entre outras funções;

Diácono - responsável pelo atendimento assistencial e material à igreja. É auxiliado por irmãs obreiras chamadas de "Irmãs da Obra da Piedade". Assim como o ancião, atende a diversas congregações de sua região;

Cooperador do Ofício Ministerial - responsável pela cooperação nos ensinamentos e presidência de cultos oficiais e de jovens em uma determinada localidade (desde que não haja um Cooperador de Jovens e menores responsável por essa localidade), não podendo realizar batismos.
Além dos ministros previsto em estatuto acima citados, há outros cargos ou funções:
Cooperador de Jovens e Menores - responsável de atender as reuniões de jovens e menores de uma congregação local.
Músico - membro habilitado e depois de passar por testes musicais é oficializado para tocar nos cultos e demais reuniões.

Encarregado de Orquestras - músico designado para coordenar o ensino musical aos interessados e organizar ensaios musicais da Orquestra da Congregação.
Encarregado Regional - músico designado para coordenar encarregados de orquestras e músicos de uma determinada região, aplicar testes para os iniciantes e atender Ensaios regionais e locais.

Irmãs da Obra da Piedade - são obreiras que auxiliam os Diáconos nos atendimentos aos necessitados e enfermos, realizando visitas e levantando necessidades entre os membros.

Examinadoras - são organistas mulheres, oficializadas, designadas para avaliar as organistas aprendizes no processo de oficialização (testes ou exames obrigatórios para organistas)
.
Auxiliar de Jovens e Menores - são jovens, homens e mulheres solteiros, designados para preparar e organizar os recitativos das reuniões, individuais ou em grupo.

Administração - ministério material, constituído por Presidente, Tesoureiro, Secretário, Auxiliares da Administração, Conselho Fiscal e Conselho Fiscal Suplente. Os administradores são eleitos a cada três anos e o Conselho Fiscal anualmente, durante a Assembleia Geral Ordinaria. É permitida a recondução ao cargo.

Para construções de templos, utilizam-se, na maioria dos casos, de voluntariado mobilizado em esquema de mutirão. Para outros serviços burocráticos das igrejas como portaria, limpeza, som, fundo biblico sem fins lucrativos, etc. também são escolhidos dentre os membros, voluntários que não possuem expectativa de receber salário.

Segundo os seus Estatutos, a Congregação Cristã no Brasil não possui registro de membros, considerando que estes devem responder somente a Deus; não prega o dízimo e mantém-se pelo espírito voluntário dos seus membros, que contribuem com coletas 

anônimas e voluntárias e exercem seus ministérios sem a expectativa de receber dinheiro ou bens materiais.
As mudanças de caráter doutrinário na Congregação Cristã no Brasil são discutidas em assembleia anual e pelo Conselho de Anciães, que é formado pelos anciãos mais antigos no ministério e não necessariamente de idade. Nestas assembleias são considerados "Tópicos de Ensinamentos", os quais, tomados em reuniões e por oração, tratam de assuntos relacionados à doutrina, costumes e comportamento na atualidade
.
A organização eclesiástica da Congregação Cristã no Brasil é uma forma adaptada do governo presbiteriano: um grupo de igrejas locais são reunidas em uma "região administrativa", normalmente correspondente a um município nos estados onde a igreja é maior e vários municípios onde a Congregação é menor, presidida por um conselho de anciãos e um corpo administrativo. As regiões administrativas são agrupadas em "regionais", que por sua vez se concentram nas "assembleias estaduais". O organismo máximo é a "Assembleia Geral" que ocorre na congregação do Brás anualmente.

Orquestra CCB

A Orquestra
A Congregação Cristã no Brasil possui uma orquestra de música sacra muito valorizada. Ela provê aos fiéis escolas musicais gratuitas em suas dependências. No Brasil, apenas membros do sexo masculino usufruem destas aulas e poderão executar os seguintes instrumentos: Cordas:Violino, Viola, Violoncelo; Flauta transversal; palhetas: Oboé, Fagote, Clarinete, Clarone; Acordeon [10]; Saxofones: soprano curvo, soprano, alto, tenor, barítono [10], baixo [10] e contrabaixo [10]; Trompete Pocket, Cornet, Trompa, Trombonito, Trombone, Saxhorn, Bombardino, Bombardão e Flugelhorn.

MULHERES NA ORQUESTRA
Atualmente as mulheres só podem tocar órgão na CCB, mas as mulheres já tocaram outros instrumentos, veja que na convenção de 1961 elas foram excluídas.

 TÓPICO DA ASSEMBLEIA DE 1961

O Senhor tem esclarecido aos irmãos anciães de as excluírem dos conjuntos musicais, a não ser no órgão, ficando assim impedida toda e qualquer oportunidade para o inimigo causar dano à Obra de Deus
.
O Órgão eletrônico é de liberdade de execução somente de mulheres e os estudos, mais difíceis e demorados. As aulas são, geralmente, particulares e pagas, ministradas por organistas já habilitadas ou Conservatórios musicais.
O hinário da Congregação Cristã no Brasil é intitulado de "Hinos de Louvores e Súplicas a Deus" e encontra-se na sua quarta edição, datada de 1965, quando foram adicionadas novas melodias e poesias. Possui muitas melodias de autores norte americanos e italianos, com algumas poesias traduzidas e semi-traduzidas do inglês e do italiano. São 450 hinos e entre eles há especiais para Batismos, Santas Ceias, Funerais, 50 para as "Reuniões de Jovens e Menores", e sete coros.

Mídia
A Congregação Cristã no Brasil não possui propaganda em meios de comunicação como rádio, televisão, imprensa escrita, ou qualquer outro tipo de propagação da sua doutrina que não seja o frequentar quaisquer de suas igrejas pelos interessados em conhecê-la.


DICIDÊNCIAS DA CCB

IGREJA RENOVADORA CRISTÃ
(Ancião Aldo Ferreti)

A Igreja renovadora Cristã, iniciada em 1953, por um ex-cooperador, familiares e alguns irmãos da CCB, talvez seja a primeria dissidência de que se tem notícia no nosso meio.

1967: Igreja Cristã Remanescente
Foi fundada no ano de 1967, em Telêmaco Borba - PR, pelo ancião Nilson Santos, que antes de ingressar na CCB frequetava a Igreja Adventista do Sétimo Dia.
Mais tarde a Igreja Cristã Remanescente filiou-se a Igreja Maranata, uma igreja alemã de linhagem adventista de doutrina pentecostal.
Da mesma forma que a CCB, mantém assentos separados para homens e mulheres, são adeptos da saudação com ósculo e uso do véu pelas mulheres. Uma particularidade desta denominação é a pratica do lava-pés.
Atualmente a denominação possui congregações em diversa localidades dos seguintes estados: Paraná, Santa Catarina, Bahia, Rio Grande do Sul, Rondônia e São Paulo.

1991: Congregação Cristã no Brasil Renovada
Fundada em Goiás, no ano de 1991, pelo ancião José Valério, na época o ancião da CCB, o mais velho naquele Estado, foi o movimento que mais ameaçou a hegemonia do Brás.
Sediado em Roraima, o movimento encabeçado pelo ancião Valério teve a adesão de vários ministros da CCB nos estados de: Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Goiás, Bahia, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.
Em dois anos, a Congregação Cristã Renovada já contava com 30 casas de orações, porém, no ano de 1993 o grupo se dissolveu, e se reintegrou a Congregação Cristã no Brasil, inclusive, concedendo-lhe direitos de propriedade sobre o patrimônio construído pela CCB-Renovada.

1993: Congregação Cristã do Sétimo Dia
Fundada em Santa Catarina no ano de 1993, pelo ancião Luis Bento Machado, na época, um dos anciães mais antigos naquele estado.

O ancião Luis Bento se afastou da CCB em 1993, quando fundou a Congregação Cristã do Sétimo dia, uma característica particular desta dissidência da CCB é que além de guardar o sábado, eles também celebram a santa ceia com pão ázimo e suco de uva.
Na ultima Assembleia Anual, no Brás, em que Luis Bento participou, presidida pelo então ancião presidente Vitório Angare, o ancião Luis Bento sendo um dos mais velhos anciães do Brasil, e representante do Estado de Santa Catarina, foi um dos que se reuniram as portas fechadas com o Conselho de Anciães. Nesta reunião foi lido na integra pelo irmão Vitório o principio da criação, contido no capítulo 1 e 2 do livro de Gênesis, logo em seguida Angare discorreu com a pregação da Palavra, porém, a pregação abordou até o sexto dia. Foi quando o ancião Luis Bento se diz ter sido tocado pelo Espírito Santo e enxergou que a CCB se omitia acerca da guarda do sétimo dia.
Após alguns meses, se valendo que da grande amizade que mantinha com o ancião Vitório Angare, Luis Bento entrou em contato com Vitório, que sugeriu uma reunião em sua residência para tratar desse particular. A reunião aconteceu e pacificamente trataram do assunto, e ao que relata Bento, Angare não o contradisse em nenhum momento, assim, o ancião Luis Bento retornou a Santa Catarina, onde por mais dois anos esteve a frente da CCB.
Porém, a noticia de Luis Bento reconhecia o sétimo dia como um dia a ser guardado por orientação da Palavra de Deus vazou a nível nacional. Para tratar dessa questão Vitório Angare convocou uma Assembléia Geral Extraordinária, que foi realizada na sede da CCB em Itajaí - SC, a reunião foi presidida pelo próprio ancião Luis Bento, e Vitório
Angare por motivo de enfermidade não participou desta reunião, mas enviou Luiz Sanches e Silas Pedrozo para representar a cúpula da CCB. A reunião teve duração de 8 horas, os presentes na reunião manifestaram o desejo de que Luis Bento continuasse a liderar a CCB em Santa Catarina, mas determinaram que o mesmo deveria fazer uma retratação publica sobre a questão da guarda do sábado, reconhecendo que era um equivoco da sua parte. Era dia de sábado, a reunião se encerrou e em seguida deu-se inicio ao culto daquele dia, o ancião Luis Bento deu inicio ao serviço de culto e fez o seguinte pronunciamento:
"Fazem 36 anos que eu palmilho neste caminho, e TUDO o que eu fiz aqui, foi por amor a obra de Deus! Se algum dia, eu fiz alguma coisa errada, aqui dentro da igreja, à algum irmão, que me perdoe! Porque fazem 2 anos que Deus me revelou acerca do sábado, e a Congregação Cristã no Brasil (apontava para saudosos representantes da CCB que se encontravam sentados no primeiros banco), não reconhece este dia como mandamento da Lei de Deus!!!, e por "este motivo" eu me afasto do ministério, oreis a Deus por mim, que nas minhas orações eu orarei por todos vós... Deus Seja Louvado!".
 Após este pronunciamento, deixou o púlpito e se sentou junto ao ministério ali presente, então, Luiz Sanches subiu ao púlpito e disse: "Tudo foi feito para que o nosso irmão Luiz Bento Machado ficasse no nosso meio, mas não foi possível; doravante ele continua sendo nosso irmão, mas como um irmão qualquer!". Muitos membros choraram com aquela cena, talvez, inédita em se tratando de Congregação Cristã.
Representantes do ministério central (Brás), procuraram Luis Bento Machado para que assinasse sua carta de renúncia como ancião da CCB, porém, Luis Bento não assinou tal carta assim se justificando: “não estou renunciando.., eu estou APENAS me afastando do ministério, este ministério que me fora confiado, como "ancião" foi Deus quem me deu! E por isso, não devo assinar a carta de renúncia para nenhuma sociedade religiosa, mas sim, levarei comigo para a sepultura”.
Ao contrário de Aldo Ferretti, Luis Bento Machado não sofreu nenhum tipo de perseguição, ou seja, nenhuma circular foi expedida, talvez, para não chamar a atenção dos membros.

2001: Congregação Cristã Apostólica
A Congregação Cristã Apostólica – CCA  - foi fundada por Antônio Silvério Pereira, que tinha 40 anos de CCB, e atuava no ministério como cooperador, no dia 11 de novembro de 2001, em Aparecida de Goiás-GO. Resulta de uma fusão entre membros da Congregação Cristã no Brasil e da Igreja Renovação Cristã pastoreada por Fleury Rodrigues de Oliveira. Atualmente a Congregação Cristã Apostólica possui congregações em algumas cidades dos seguintes estados: Paraná, Santa Catarina, Goiás, Espírito Santo, e São Paulo.

2004: Associação de Membros da Congregação Cristã no Brasil
O movimento iniciou-se em 2002, por Jahyr Ferreira do Amaral, Osni R. Santos, e Reginaldo Fernandes, influenciados por Ricardo Adam. Mas somente em 2004, a AMCCB - Associação de Membros da Congregação Cristã no Brasil - se tornou uma realidade. Pouco tempo após sua fundação, Jahyr Ferreira e Ricardo Adam deixaram o movimento, pois, os ministros e membros da AMCCB não concordavam com a posição de ambos em relação a fazer oposição a CCB.
O fato da AMCCB  ter se formalizado como “Associação de Membros da CCB”, e não ter sido contestada juridicamente  pela CCB em seus dois primeiros anos lhe confere alguns privilégios, tal como, usar o mesmo hinário que a Congregação Cristã no Brasil. Uma das particularidades da AMCCB é que ela se dedica a resgatar os “parados na graça”, e esclarecê-los de que homem algum pode cortar sua liberdade, e que havendo sincero arrependimento há perdão da parte de Deus, e que todos os pecados Deus perdoa, exceto, a blasfêmia contra o Espírito Santo.
A denominação passou a se expandir em 2010, quando em Assembléia se uniram a Congregação Cristã no Brasil - Ministéirio Jandira, movimento dissidente iniciado pelo ancião Samuel Trevisan.

2005: Igreja Congregação Cristã
A Igreja Congregação Cristã, foi fundada em 2005, na cidade de Fortaleza, no Estado do Ceará, pelos ex-cooperadores da CCB José Bezerra de Freitas, José Carlos Menezes e o ex-ancião Emilson Bernardo da Silva.
Atualmente, a dissidência Igreja Congregação Cristã tem templos nos estados do Ceará, Rondônia e Paraná, além de trabalhar para a expansão da denominação dos estados em que já atua, a ICC está em trabalho permanente para abertura de congregações nos estados de Goiás e São Paulo.

2010: Congregação Cristã no Brasil - Ministério Jandira
Ninguém deu valor para aquela salinha que se intitulava “Associação de Membros da Congregação Cristã no Brasil” localizada próximo a estação de Armênia na capital paulista, talvez, imaginando que ela definharia por falta de recursos ou membros, ledo engano, após a ordenação de 3 anciães em Jandira em maio de 2010, interior de São Paulo, sem a aprovação do Conselho de Anciães, conforme determina os estatutos da CCB, o impasse foi resolvido pelo Brás destituindo do cargo  todos os envolvidos, inclusive, o ancião Samuel Trevisan, que após o ocorrido construiu um templo em
Jandira, usando a mesma fachada e nome de CCB, para formalizar a instituição  Trevisan se juntou a AMCCB, que tem sede no bairro Ponte Pequena, da capital paulista, mas tem congregações em Juquitiba e Jandira, outros templos estão sendo construídos no interior de São Paulo e um no Mato Grosso.
Não sabemos se a particularidade legal da AMCCB, que está registrada como Associação de Membros da CCB confere direitos sobre o uso do nome CCB sem qualquer distinção.
Existem outras denominações que se originaram a partir de integrantes da CCB, mas esses são os mais expressivos.

É lógico que se todos esses dissidentes concordassem plenamente com as doutrinas da Congregação Cristã no Brasil eles não teriam deixado a instituição, muito menos fundado novas denominações.
Quase todas as denominações dissidentes  citadas tem em comum  a maneira de acolhimento ao pecador, elas  também se reformularam nos itens que rendem criticas internamente e externamente a CCB, principalmente, o exclusivismo e relacionamento interdenominacional.
Quanto ao credo doutrinário e liturgia são similares a CCB, já na questão dos usos e costumes, são mais flexíveis por entenderem que contribuem para a disciplina, mas não são doutrinas bíblicas, faz-se exceção ao Igreja Renovadora Cristã, cujo um dos principais motivos para o surgimento foi a questão das vaidades, o excesso de zelo no
Tocante  a vaidade faz com que os membros da  Renovadora Cristã não usem vestido de noiva e nem mesmo aliança de casamento.

 REFERÊNCIAS BIBLÍOGRAFICAS / SAIBA MAIS
Igreja Renovadora Cristã 
Congregação Cristã no Brasil - Ministério Jandira
Igreja Congregação Cristã (Ceará)
Testemuno de Aldo Ferretri 
Jornal Folha de Pinheiros (21/02/1953)
Cartas trocadas entre Francescon e Ferretti
Testemunho do ancião Luis Bento Machado 
Congregação Cristã Apostólica. Blog ComumCCB 
Desvendando as irmãs Cris e Lica. Blog Bereiano
Congregação Cristã Apostólica. Fórum CCB Sem Censuras
Dissidências e Movimentos Relacionados a CCB.
Congregação Cristã Apostólica - Oficial 
Igreja Cristã Remanescente Primitiva 
Igreja Cristã Remanescente   



CURIOSIDADE

Conheça a história do homem que evangelizou Louis Franscon (Michele Nardi) http://gospel.ativo-forum.com/t605-acompanhe-2012-a-obra-de-respeito-ccb-estatistica-pag-4

Tópicos da convenção de 1936

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL
TÓPICOS DE ENSINAMENTOS CONVENÇÃO DE 1936
RESUMO DA CONVENÇÃO REALIZADA EM 1936.
PREFÁCIO
Devido à necessidade sempre crescente da Obra de Deus, o Senhor fez compreender a seus servos nas Reuniões Gerais de 1998, que seria necessária a nova edição do Resumo da Convenção das Igrejas da Congregação Cristã no Brasil do ano de 1936, assim como o Resumo das Reuniões Gerais de Ensinamentos do ano de 1948, já que esses dois trabalhos tiveram a assistência do irmão Ancião Louis Francescon, a quem esta Obra foi revelada.
Naturalmente existem ensinamentos que não se acomodam mais com a época atual, pois o Senhor determinou que fossem feitos para aquela ocasião e assim foram agora suprimidos, e também ampliados alguns que a prática demonstrou essa necessidade. Entretanto, no demais permanecemos na revelação da parte de Deus que os servos de Deus tiveram na ocasião e que foi a razão do grande progresso desta Obra no Brasil e no mundo.
Para não se tirar o sabor do que foi feito, seguiremos a mesma ordem e disposição do que o Senhor determinou na simplicidade e sempre com a guia do Espírito Santo, todavia, sendo atualizada a ortografia.

CONVENÇÃO

A convenção foi iniciada às oito horas da manhã do dia 20 de fevereiro de 1936, sendo aberta pelo mais velho Ancião do Brasil, irmão Luiz Pedroso, que convidou a todos para orarem ao Senhor. Terminada a oração e tratando-se de uma primeira reunião geral de todas as Igrejas da mesma fé no País, não desejando pois o ministério de então, que prevalecesse a sua autoridade suprema na direção dos trabalhos, pediu aos irmãos a indicação da mesa que deveria dirigi-la, sendo indicado pelo irmão Antonio Cardoso Gouveia, com aprovação de todos os presentes a seguinte: Presidente, Irmão Ancião Louis Francescon; Vice-Presidente, Irmão Ancião Luiz Pedroso; Secretário, Irmão Reynaldo Ribeiro e Vice-Secretário, Irmão Francisco D'Angelo.
Procedeu-se então à chamada e registro dos representantes de todas as Congregações. À tarde foram tratados casos particulares de algumas localidades. No dia seguinte, ao ser iniciada a continuação da convenção, buscou-se a face de Deus em oração, sendo lido e exortado, após, o Salmo 133, pelo qual fomos ensinados a permanecer sempre unidos na fé divina, que nos unge e nos confirma em Cristo Jesus.


HORÁRIO - ORDEM DOS SERVIÇOS ESPIRITUAIS E CONSELHOS DIVERSOS

Não deve existir um horário determinado para abertura do serviço de culto, podendo o mesmo ser estabelecido de acordo com a necessidade que se apresentar. O serviço de culto, sempre que possível, não deve passar de uma hora e meia; quem o preside tem que se fazer guiar pelo Espírito Santo e, em particular, para fazer a exortação da Palavra. Se se tomar a Palavra para atingir alguém, não é o Senhor Quem guia; o povo de Deus só por Ele deve ser ensinado; assim compreendemos que não se pode tomar o lugar do Espírito Santo, já que os dons não são dados aos homens para que estes tenham domínio sobre eles, porém, para por eles serem dominados.
É permitido pelo Senhor, de acordo com Sua Palavra, que mais de um servo se levante para exortar a Palavra no mesmo culto; entretanto, ao segundo compete considerar o que o Senhor enviou pelo primeiro, a fim de não desfazer a impressão do que veio antes. Todavia, a experiência nos tem ensinado que em geral melhor seria que só um exortasse, principalmente sendo ele revestido pelo Senhor para a necessidade que se apresenta.
É necessário que o Espírito Santo tenha livre ação na Igreja; assim não deve existir entre os membros do Corpo de Cristo o ciúme e a inveja; quem preside o culto deve ter muito cuidado, não deixando os solícitos ou presunçosos abusarem do precioso tempo, para que a Igreja não venha a perder gloriosos benefícios.
Os servos de Deus não devem receber queixas que não possam ser confirmadas na frente dos acusados; nesses casos devem repreender o acusador com caridade e verdade, mostrando que se encontra em caminho errado; se o repreendermos ele compreenderá que o amamos e desejamos o seu bem.
As orações e testemunhos devem ser movidos pelo Espírito Santo para que o Senhor possa manifestar a Sua Obra e consolar Seu povo; quem manifesta sentimento contra qualquer, em testemunho ou oração, não é guiado pelo Senhor, porém, pelos seus próprios sentimentos.
Aqueles que desejarem ministrar a Palavra de Deus deverão ter os requisitos conforme é determinado em I Timóteo 3, vs. 1 a 7.
Todo servo de Deus deve trabalhar para o seu sustento material. Não dependendo da irmandade pode agir com mais franca imparcialidade em todos os casos que se apresentarem.


SUBSTITUIÇÕES NO SERVIÇO - VIAGENS E CARTAS DE APRESENTAÇÃO

Quando o Ancião ou Cooperador se ausentar, deverá deixar para atender os cultos um irmão competente, devendo a irmandade honrá-lo. Sempre que um Ancião ou Cooperador, ou mesmo um irmão reconhecidamente aprovado pelo Senhor e também confirmado pelo Espírito Santo, sentir-se enviado a realizar uma missão, compete aos demais irmãos da localidade cooperar com suas despesas, a fim de poder dar cumprimento ao que for determinado pelo Senhor.
Os Anciães que viajam são geralmente inquiridos por irmãos sobre casos ou pequenas disputas que surgem entre a irmandade.
Nesses casos, esses devem ser convidados a comparecer perante o ministério local, e só aí, então, deverão ser atendidos dando-se a devida solução ao caso. Todavia, sempre convidando-os a se reconciliarem de acordo com a Palavra de Deus, agindo-se com paciência, sabedoria e imparcialidade.
Salvo em alguns casos, não se deve hospedar nenhum irmão de fora, sem uma carta de apresentação assinada pelo Ancião ou Cooperador da localidade a que ele pertence, devendo constar na mesma o motivo da viagem.
Nas Congregações onde o Senhor ainda não tenha manifestado nenhum dom para edificação, a Ele deve ser clamado para que levante alguém, de acordo com o testemunho da Sua Palavra.


ORAÇÕES - UNÇÃO - MOLÉSTIAS CONTAGIOSAS

Somos chamados, às vezes, a orar por pessoas estranhas à nossa fé; se o Espírito Santo nos determinar, devemos atender sem cautela; todavia fazemos sentir que não somos médicos nem curandeiros. Só apresentamos a Deus por fé o seu caso e, se a sua fé for suficiente e crer que Jesus Cristo o podecurar, d'Ele obterá a saúde.
A unção pertence ao Ancião e, na sua ausência, ao Cooperador do Ofício Ministerial ou ao Diácono.
Não se justifica um pedido de oração e uma unção por pequenos males, somente em casos de doenças graves, porém sempre que guiados pelo Senhor. Todavia, quem pedir unção deve estar de acordo com o capítulo 5 S. Tiago - vs. 14,16.

Em geral não se deve agradecer ao Senhor na Congregação em testemunho, quando se busca socorro humano; porém, estando sujeitos à lei em determinados casos, assim temos que obedecê-la. Em qualquer caso, a ninguém cabe o direito de julgar outrem, por ter tido necessidade de tal socorro. Não é permitido nas Congregações ou fora delas, falar contra médicos e remédios; a fé é um dom de Deus.
Em obediência às leis sanitárias do País, não devem participar de nossos cultos e reuniões, pessoas acometidas de moléstias que essas leis consideram infecto-contagiosas.


TENTAÇÕES E FRACOS NA FÉ

A tentação não é um pecado; é a manifestação clara do poder do maligno do qual fomos libertos. Se tentados, é necessário resistirmos até nos vermos livres desse mau poder, dando-se assim o valor que merece a salvação que temos alcançado, pela fé, em Cristo Jesus.
Não se pode impedir que as aves voem sobre nossas cabeças, porém, pode-se impedir que sobre as mesmas elas façam seus ninhos.
Nos testemunhos, não se deve citar proezas e feitos do inimigo; ele combate o crente, na verdade, mas é vencido de qualquer forma, embora se transfigure de muitas maneiras. O que habita no crente jamais se transformará.
Existem em nós ainda imperfeições, que serão eliminadas se seguirmos a Luz que recebemos dia a dia do Nosso Senhor, até o perfeito amanhecer.
Na Igreja do Senhor sempre existiram os fracos na fé; os fortes que não os desprezem, antes orem por eles para que possam servir de conforto àqueles que o Senhor vem chamando.




*ACCB proíbe leituras de outras correntes religiósas

CULTOS - LEITURAS ESTRANHAS

O povo de Deus não tem necessidade de freqüentar outros cultos e nem de ler leituras religiosas de diferentes princípios. Na Sagrada Escritura existe tudo o que se precisa, individual e coletivamente.
Se alguém precisa de sabedoria para entender o que Deus tem já revelado em Sua Santa Palavra, como filho, deve recorrer a Ele para alcançar o necessário entendimento.


BATISMO POR IMERSÃO

Este sacramento se exerce por imersão conforme declarado no cap. 2, ver. 12 Aos Colossenses, praticados pela Igreja primitiva: "EM NOME DE JESUS CRISTO", Atos 2, ver. 38 e de acordo como o Santo Mandamento: "EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO". S. Mat. 28, ver. 19.


BATISMO DO ESPÍRITO SANTO

Quando o fiel receber a virtude do Espírito Santo não deverá dizer "fui batizado", porém esperará até que o Espírito Santo se manifeste falando novas línguas, de acordo com a Palavra do Senhor.

SANTA CEIA
A Santa Ceia deve ser efetuada com um só pão e partido com a mão, e também com um só cálice, não alterando o que é determinado na Palavra de Deus. Para serví-La deve-se honrar sempre, primeiramente ao Ancião, Cooperador ou Diácono local.


ÓSCULO SANTO
O ósculo santo deve ser dado de coração, na despedida do serviço ou em caso de viagem, todavia, sempre entre irmãos ou entre irmãs, de per si.


VISITAS
É necessário usar de prudência ao se freqüentar casas quando as irmãs se encontram sós, assim como não se deve viajar a sós com elas, salvo em casos muito excepcionais.
Em geral não se deve tomar leve confiança pessoal entre sexos diferentes; os irmãos devem se portar varonilmente na Igreja e em todos os menores atos de sua vida.


CASAMENTOS
O matrimônio legal que a Congregação Cristã no Brasil reconhece é o que está de acordo com a Lei Civil de cada país. Os amasiados que desejarem ser batizados deverão se casar de acordo com a lei. Os que tiverem impedimentos de o fazer, deverão expor com verdade sua situação aos servos de Deus, e estes buscarão o Seu conselho, para cada caso que se apresentar.
A Congregação não admite cerimônias religiosas em casamentos, a não ser uma oração que poderá ser feita por qualquer irmão presente, quando não houver Ancião, Cooperador ou Diácono, pois isso não faz parte do Ministério; portanto, os servos não devem assumir esse compromisso. Não é permitido realizar casamentos nas Casas de Oração da Congregação Cristã no Brasil.
O fiel deve abster-se de compartilhar em banquetes matrimoniais ou outros que o possam contaminar, transgredindo a eterna Verdade de Deus. Atos, 15:29.


INFIDELIDADE MATRIMONIAL
Se alguns dos cônjuges tornar-se infiel ao matrimônio, deixa-se a decisão do caso a critério da parte ofendida, pois a lei de nosso país permite divórcio a vínculo, que somente nesse caso Deus permite. (S. Matheus 19:9). O pecador será excluído da comunhão com os fiéis.


APRESENTAÇÃO DE RECÉM-NASCIDOS
Não se encontra na Palavra de Deus que o recém-nascido deva ser apresentado ao Senhor pelo Ancião ou Cooperador do Ofício Ministerial, porém, por seus pais nos próprios lares.
Há um só mediador entre Deus e os homens, que é Cristo Jesus que o abençoará.


COMEMORAÇÕES
A Congregação Cristã no Brasil não admite certos costumes como em alguns lugares se principia a praticar, como seja, a vigília do 1° dia do ano em cantos e orações, assim como outras solenidades para comemorar festas materiais.


FUNERAIS
O serviço a ser feito em funerais, deve ser julgado de acordo com o momento.Todavia, não se deve levar o corpo na Casa de Oração, pois isto tornar-se-ia um hábito e imitação de costumes mundanos, que não se fundamentam na fé apostólica e na Palavra de Deus.


VESTUÁRIO
A palavra de Deus nos ordena a modéstia e esta deve ser sempre modelada de acordo com a Sua luz; não devemos dar determinações particulares sobre esse assunto.
*Pessoas que exercem cargos na CCB são obrigadas a se vestirem de modo diferenciado, as mulheres sem decotes ou saias curtas, os homens não usam short ou regata em público, e nos cultos vão de terno e gravata


JEJUM
O jejum não é uma ordenança formal; é livre praticá-lo quem se sentir, porém, só entre si e o Senhor.

FACHADAS DE CASAS DE ORAÇÁO E OFERTAS DE IMÓVEIS
Onde o Senhor der oportunidade de se construir ou já existindo Casas de Oração construídas, é preciso que na fachada só exista o nome oficial e reconhecido de Congregação Cristã no Brasil.
Dentro da Congregação, no púlpito, as palavras recebidas por interpretação desde o início desta Obra: "Em Nome do Senhor Jesus".
Não é de utilidade oferecer terrenos à Congregação sem que os mesmos sejam úteis para a construção de Casas de Oração.


HINOS
Nossos livros de hinos são organizados e confeccionados para uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil; não são vendáveis a estranhos à fé.


NOVOS ESTATUTOS E ADMINISTRAÇÃO
Ao se findar a Convenção foram apresentados, considerados e aprovados os novos Estatutos da Congregação Cristã no Brasil, pelos quais deverão se reger perante a lei todas as Congregações da mesma fé, no país.
Nessa mesma ocasião foi eleita a Administração para gerir as coisas materiais da Congregação e que ficou assim constituída:
Presidente: José Balthazar Affonso;
Tesoureiro: Antonio Cardoso Gouveia;
Secretário: Reynaldo Ribeiro;
Vice-Secretário: Januário Teti.
Conselho Fiscal: Antonio D'Angelo, Anacleto Grenza e Antonio Brunazzo.


FUTURA CONVENÇÃO
Nada ficou deliberado sobre uma futura Convenção; quando a Administração, juntamente com osAnciães, julgar necessária a sua realização, fará a convocação comunicando às demais Congregações do país.


ENCERRAMENTO
Ao se encerrar esta primeira Convenção das Igrejas da Congregação Cristã no Brasil, somos gratos ao nosso Criador pela paz e harmonia que fez reinar em tudo o que foi apresentado e deliberado. Sendo ela encerrada às onze horas e trinta minutos do dia vinte e cinco de fevereiro de mil novecentos e trinta e seis com uma exortação no Capítulo II da carta a S. Tiago e ao final com uma oração.
São Paulo, março de 1936.
(a) Louis Francescon
(a) Luiz Pedroso
(a) Reynaldo Ribeiro
(a) Francisco D’Angelo

NOTA; ESTE BLOG NÃO FAZ QUALQUER ACUSAÇÃO CONTRA QUAISQUER ORGANIZAÇÃO, APENAS LEVANTA DADOS DE DOMÍNIO PÚBICO QUE CIRCULA NA REDE, E DÁ PLENO ESPAÇO AO DIREITO DE RESPOSTA.


Nenhum comentário: